quinta-feira, 28 de março de 2013

Um Sonho De Amor




Olhos claros, cabelos negros-claros, 
Rosto com traços de dor. 
Ela não demonstra, não reage, 
Passa por cima de si mesma,
Por um sonho de amor. 
Mas que amor é este que bate? 
Que amor é este que deixa marcas? 
É um amor certamente não correspondido. 
E sendo assim, parece amar a um inimigo, 
Alguém a quem pensava conhecer. 
Mas com o tempo viu que não, 
Não conhece, não reconhece, mas o ama. 
Não reclama e não exclama o crime. 
O rosto lindo que outrora sorria, 
Agora se reprime. Se restringe,
A um sorriso morto em meio a hematomas. 
Não há maquiagem que os escondam, 
Não há vergonha que acabe, 
Mas há amor, há esperança. 
Afinal, o tempo cura tudo! 
Ora sorrisos, ora lágrimas. 
Autoestima elevada, autoestima no chão. 
Sem amor próprio, apenas a lembrança, 
Daquele a quem entregou seu coração. 
Um dia, talvez, príncipe encantado. 
Hoje um monstro sem controle, 
Covarde, doente, bandido, 
Mas não mais seu homem. 
Não mais um homem.

Um comentário:

  1. O link abaixo mostra o vídeo de uma campanha croata contra a violência doméstica. Após assisti-lo escrevi este poema.

    http://www.youtube.com/watch?v=x1wb2aqqyAs

    ResponderExcluir